Neste texto há a análise da vida e da obra de Joaquim Custódio de Azevedo Bouças, a quem o autor do texto, Gustavo Vogel, chama de ‘jurispoeta’, porquanto jurista e poeta, fundador da Academia.